domingo, 24 de março de 2013

MAGNÉSIO, O MINERAL DA VIDA

Compartilho aí abaixo um texto do Mark sobre magnésio que já traduzimos tem algum tempo, alguns de vocês já conhecem. Estamos no momento traduzindo mais materiais sobre este tema e publicaremos em breve, mas se você quiser ler em inglês, aqui tem informações sem fim: http://drsircus.com/medicine/magnesium.

Mark é conhecido entre seus colegas como "The Magnesium Man" ("O Homem do Magnésio") e não é à toa - acho que ele pesquisou mais sobre o uso terapêutico do magnésio do que qualquer outra pessoa do planeta, escreveu 3 livros sobre o assunto, usa em si mesmo religiosamente todos os dias e não trata nenhum paciente que não esteja usando magnésio. Diz que do mesmo jeito que não valeria à pena tratar de um paciente que decidisse não respirar mais, também não vale a pena tratar de alguém que não queira tratar da sua deficiencia de magnésio - tão vital ele considera este elemento.

Apesar de uma pessoa levar meses para corrigir uma deficiencia em magnésio, os benefícios da suplementação se fazem ver já nos primeiros dias de sua utilização. É uma das coisas mais impressionantes que temos visto, a resposta tão rápida da maioria das pessoas ao uso do magnésio. Leia o texto abaixo para ter uma idéia do que o magnésio pode fazer por você, e em breve postarei mais detalhes sobre a maneira de fazer a suplementação deste elemento:


MAGNÉSIO, O MINERAL DA VIDA
Mark Sircus, Ac., OMD, DM (P)



Magnésio é um mineral importante para o organismo humano. É o quarto mineral mais abundante no corpo e exerce numerosas funções: catalisa a atividade de enzimas, hormônios e vitaminas necessárias à vida, estimula as sínteses bioquímicas do organismo, age sobre o sistema simpático, freando a atividade nervosa, acelera a respiração celular, influi sobre o equilíbrio neuro-muscular,  entra na formação dos dentes e ossos, regula a absorção do cálcio e potássio, entre várias outras funções. Pesquisadores do mundo todo confirmam o papel vital que o magnésio exerce na prevenção e cura das doenças mais comuns do mundo moderno: diabetes, câncer e numerosos problemas musculares, tanto em adultos como em crianças.

Hoje em dia é extremamente difícil obtermos a quantidade adequada de magnésio  através da  alimentação, e a deficiência desse mineral é um dos problemas nutricionais maIs comuns no mundo industrializado.
Esta deficiência é o resultado de praticas agrícolas que exaurem o solo desse mineral, das técnicas de preparo de alimentos (“beneficiamento” de farinhas e arroz, por exemplo, retirando os seu nutrientes) e dos tipos de alimentos que temos em nossa dieta. Na maioria dos países industrializados, o consumo do magnésio tem decrescido ao longo do tempo e agora é ínfimo em toda a população.

Estudos feitos pelo governo americano mostram que 68 % de sua população não consomem a dose diária recomendada de magnésio e 19% não consomem nem mesmo a metade desta dose recomendada. A deficiência em magnésio pode afetar literalmente  todos os sistemas corporais, o que significa que a quantidade de patologias associadas com esta deficiência é assustadora.

Infelizmente o paradigma médico convencional ainda não compreendeu a importância do magnésio: a suplementação com magnésio é dramaticamente sub-utilizada  pelos médicos ortodoxos. Apesar da deficiência de magnésio ser muito comum ela em geral não é procurada, e, desta forma  não é encontrada ou corrigida.
Quando 1003 pacientes hospitalizados foram analisados, mais
 de 54 % apresentavam deficiência de magnésio. O mas mais grave
 foi que 90% de seus médicos nem mesmo haviam pensado
 em solicitar um teste de magnésio.
                                                                     Jornal da Associação Americana de Medicina

Desta forma, uma suplementação deste mineral é recomendada, mas devemos prestar atenção à forma de suplementar, pois isso é critico para a absorção e efetiva utilização de magnésio pelo corpo. Embora haja vários derivados de magnésio (aspartato, orato, carbonato) ficou demonstrando que o CLORETO DE MAGNÉSIO é o mais eficiente. Em hospitais usa-se o cloreto de magnésio na forma intravenosa; para o uso doméstico o mais recomendado é a forma transdérmica.

É lamentável que a deficiência de um nutriente tão barato e
de baixa toxicidade resulte em doenças que causam
dor e gastos incalculáveis por todo o mundo.
                                                   Dr. Steven Johnson

Apenas dizer que o magnésio é importante na saúde e na medicina é subestimar o caso pois ele é necessário para mais de 300 reações bioquímicas no corpo. É fundamental para o metabolismo do cálcio, potássio, fósforo, zinco, cobre, ferro, sódio, ácido clorídrico, acetilcolina, ácido nítrico (NO), para muitas enzimas, para a homeostase intracelular e para a ativação da tiamina, e, desta forma, para uma grande variedade de funções cruciais do organismo.

Seu papel é decisivo na mediação de funções vitais dos sistemas nervoso e endócrino; ele ajuda a manter as funções normais dos músculos e nervos, mantém o ritmo cardíaco constante, mantém o sistema imunológico saudável e os ossos fortes. Magnésio ainda ajuda a regular a taxa de açúcar no sangue, mantém a pressão sanguínea normal e está envolvido na produção de energia do corpo e na síntese de proteínas. No núcleo celular, mais da metade do magnésio está intimamente associado com ácidos nucléicos e mononucleotídeos. O magnésio é também necessário para a integridade física da dupla hélice do DNA, que carrega   informações genéticas e o código para proteínas especificas.

Terapia transdérmica de magnésio





A pele é na verdade um órgão incrivelmente complexo e, por peso, é o maior de nosso corpo. Ela cobre em média, algo como 4 metros quadrados e pesa cerca de 4 quilos (perto de 7% do peso do corpo). A pele está envolvida numa troca dinâmica entre os ambientes interno e externo através da respiração, absorção e eliminação. É altamente permeável, embora tenha a habilidade de manter sua importante barreira antibacteriana com o ambiente.

O uso transdérmico do cloreto de magnésio tem diversas vantagens em relação ao seu uso oral: ele permite que altos níveis de magnésio cheguem diretamente ao nível celular sem atravessar o sistema digestivo, evita impacto no intestino, fígado e rins. O nível de absorção é maior do que na forma oral, pois nesta ultima se tem muita perda através das fezes. De acordo com o Dr. Normam Shealey, Ph.D., a suplementação com magnésio oral leva entre 6 e 12 meses para restaurar os níveis intracelulares, enquanto a aplicação transdérmica de uma loção de cloreto de magnésio a 25% promove tal restauração em 4 a 6 semanas. Além disso, quando utilizado pela pele o cloreto de magnésio reage com a gordura corporal aumentando naturalmente os níveis de DHEA, o chamado “hormônio mestre”, cujos níveis baixos estão associados ao processo de envelhecimento.

Benefícios da terapia transdérmica de magnésio :

  • Alivia dores musculares na coluna, bursites, tendinites;
  • Previne e trata artrites e osteoporose, pois faz com que o cálcio se deposite no local correto;
  • Ajuda nos casos de depressão pois aumenta a energia vital;
  • Atua beneficamente sobre o sistema nervoso;
  • Melhora o sistema imunológico e combate radicais livres;
  • Auxilia no tratamento de cálculos renais
  • Traz mais disposição e vitalidade para o dia-a-dia.

Contra indicação: Pacientes com deficiências renais devem usar o cloreto de magnésio com acompanhamento médico.


Dr. Mark Sircus, Ac., OMD, DM (P)

Director International Medical Veritas Association
Doctor of Oriental and Pastoral Medicine
http://drsircus.com/

10 comentários:

  1. O cloreto de magnesio deve ser aplicado na pele?

    ResponderExcluir
  2. É indicado para casos de depressão e TPM?

    ResponderExcluir
  3. De que forma usar na pele e onde encontrar essa formula?

    ResponderExcluir
  4. Em Brasilia,, na Farmacotécnica, mas é caro.

    ResponderExcluir
  5. COMPRANDO NO MERCADO LIVRE, O KG JA COM O FRETE SAI EM TORNO DE 40 A 50 REAIS,ENQUANTO QUE COMPRANDO FRACIONADO SAI EM TORNO DE 150 REAIS O KILO. ESPERO TER AJUDADO,MEU EMAIL É, LAERCIOOFICIAL@HOTMAIL.COM.

    ResponderExcluir
  6. artigo muito esclarecedor, como conseguir o magnesio transdermico

    ResponderExcluir
  7. artigo muito esclarecedor, como conseguir o magnesio transdermico

    ResponderExcluir